terça-feira, 15 de novembro de 2011

Bolinhas de Natal



Nunca gostei de ir ao cemitério, nem em velórios e muito menos no feriado de finados - quando muitos se aglomeram para levar flores, limpar túmulos e relembrar. Mas este foi particularmente especial.

Dizem que somos um casal perfeito. E eu concordo plenamente! Este será nosso primeiro Natal na nossa casa. Há alguns dias estamos fazendo bolinhas de isopor revestidas com tecido para decorar nossa primeira árvore de Natal. O dia 2 de novembro estava sendo um feriado como outro qualquer... livre de trabalho, almoço em família, produção de bolinhas em família também. Chegamos em casa a noite e não resistimos! Fomos montar a árvore de Natal!

Encaixamos as partes, esticamos os galhos pra lá e pra cá, colocamos o

pisca-pisca e começamos a pendurar as bolinhas. Foi quando sutilmente lembranças com

eçaram a tomar conta de mim. Pude lembrar da textura dos galhos da árvore que eu montava todos os anos na casa dos meus avós. Eram muitas bolas vermelhas e brilhantes! Por serem tão frágeis, todos os Natais algumas quebravam e eram repostas. Lembrei também que minha vó sempre comprava algumas caixas de papais-noéis de chocolate, daqueles bem pequenos para serem pendurados também. Foi impossível conter as lágrimas, e então, aninhada no colo do meu marido, fui lhe contando como eram os Natais quando eu era criança.

Relembrar momentos tão especiais, vividos com pessoas que já partiram, foi como achar a chave de um pequeno tesouro que estava muito bem guardado. E por coincidência, era dia de finados.

domingo, 9 de outubro de 2011

Disciplinas Espirituais

Resumo do livro: Celebração da disciplina – o caminho do crescimento espiritual. Richard Foster

O contentamento é o tom básico de todas as disciplinas, e o PROPÓSITO delas é libertar o ser humano da escravidão sufocante ao interesse próprio e ao medo.

O REQUISITO principal é ter anseio por Deus.

Conhecer a mecânica não significa que estamos praticando as disciplinas.

As disciplinas PERMITEM que nos apresentemos diante de Deus, a fim de que Ele possa nos transformar.

Quando passarmos a acreditar de fato que a transformação interna é ação de Deus, não nossa, seremos capazes de deixar de lado a compulsão para endireitar as pessoas.


MEDITAÇÃO

Se afastar por algum tempo de ruídos, da pressa e das multidões a fim de desenvolver a capacidade de ouvir a voz de Deus e obedecer à sua palavra.

Uma forma de oração contemplativa, a busca de uma intimidade intensa aliada a uma reverência sublime.

A meditação oriental é uma tentativa de esvaziar a mente; a meditação cristã é uma tentativa de preenchê-la.

A meditação devolve-nos às coisas do mundo com mais equilíbrio e com uma perspectiva alargada.

A meditação procura internalizar uma passagem bíblica e torna-la pessoal.


ORAÇÃO

Orar é mudar. A oração é a principal via usada por Deus para nos transformar.

Pedir “do jeito certo” envolve prazeres transformados.

“Se vocês permanecerem em mim, e as minhas palavras permanecerem em vocês, pedirão o que quiserem, e lhes será concedido.” (João 15.7)


JEJUM

O jejum pode ser completo ou parcial, individual ou em comunidade, mas precisa ter no centro algum propósito espiritual.

Mais que qualquer outra disciplina, o jejum revela as coisas que nos controlam.

O jejum ajuda a manter o equilíbrio na vida.

Procure dedicar o tempo normalmente gasto nas refeições para meditar e orar. Oração e jejum precisam estar intimamente ligados.


ESTUDO

“Conhecerão a verdade e a verdade vos libertará”. João 8.32

  • Concentração
  • Reflexão / Percepção
  • Repetição
  • Compreensão

Aquilo que estudamos determina os hábitos que serão formados.

A tarefa principal do estudo é perceber a realidade interna de determinada situação, um encontro, um livro, etc.

3 leituras de um mesmo texto:

  • 1º para entender o livro
  • 2º para interpretar o livro
  • 3º para avaliar o livro

Auxílios secundários: experiência, outros livros, discussão.


SIMPLICIDADE

A simplicidade é liberdade, não escravidão. Recuse-se a ser escravo de qualquer coisa, a não ser de Deus.


SOLITUDE

A solitude é o interior preenchido.

Mais que um lugar, a solitude é uma condição mental, um estudo do coração.

O fruto da solitude é a ampliação da sensibilidade e a compaixão pelas pessoas. Surge uma liberdade renovada para estar ao lado delas. Há uma atenção renovada para as necessidades delas, uma receptividade nova às suas feridas.


SUBMISSÃO

Submissão é não estar no controle.

O caminho para a autorealização passa pela autonegação, que significa a liberdade de priorizar o semelhante.


SERVIÇO

Agir como servo é diferente de ser servo. É um estilo de vida que deporta-nos para o secular, o comum, o trivial. E seu símbolo é a toalha.


CONFISSÃO

A igreja é uma comunhão de pecadores na qual devemos confessar abertamente nossos pecados uns aos outros e orar uns pelos outros.

A honestidade leva à confissão, e a confissão leva à mudança.


ADORAÇÃO

Adorar é entregar para Deus corpo, mente e espírito; deixar que Ele nos transforme e que então fluam do nosso interior: serviço, gratidão, louvor... formas de adoração.


ORIENTAÇÃO

A orientação espiritual nasce primeiramente de relacionamentos humanos naturais e espontâneos.

É preciso deixar o individualismo de lado e se unir a outros cristãos para ouvir a voz de Deus.


CELEBRAÇÃO

A obediência a Deus nos leva a praticar as disciplinas espirituais e o resultado é uma vida alegre!

Obediência Disciplinas Alegria !

Somos livres para celebrar a bondade de Deus, desde coisas simples da vida como também grandes acontecimentos, somos livres para não nos levarmos tão a sério e sermos felizes enquanto buscamos o Reino de Deus!



terça-feira, 20 de setembro de 2011

Gramado & Canela



Conheci uma cidade linda, simplesmente encantadora. Se bem que de “simples” ela não tem muita coisa não, é requintada e poderia dizer até elitista. Mas sabe receber os turistas como ninguém. Na verdade, a cidade respira turismo; para onde você olha tem alguém fotografando. E só poderia ser assim mesmo, num lugar onde arte, arquitetura e natureza se complementam com delicadeza e perfeição.

Gramado, situada no RS, realmente me conquistou. Detalhes como vasos de flores nos postes de luz ao longo de uma avenida, azaléias e lavandas em abundância colorindo e perfumando as calçadas, lojas muito bem decoradas, atendimento de primeira e toda infra estrutura para receber muito bem os turistas.

Canela, cidade vizinha, não fica muito atrás. Lugares como o Parque do Caracol, a Igreja de Pedra, o Alambique Flor do Vale... são só alguns dos pontos turísticos.

Excelentes destinos para quem gosta de viajar.


segunda-feira, 11 de julho de 2011

Comer Rezar Amar

Como estou lendo o romance Comer, Rezar, Amar (A busca de uma mulher por todas as coisas da vida na Itália, na Índia e na Indonésia. Seja também a heroína de sua própria jornada.) da autora Elizabeth Gilbert, loquei o filme de mesmo título dirigido por Ryan Murph e protagonizado por Julia Roberts.

Gosto declaradamente de filmes “água com açúcar”, e este não fica nem um milímetro longe dessa classificação. Assim como a Liz – personagem do filme e mulher real que viveu toda a história – imagino quantas pessoas vivem procurando quase que desesperadamente motivos para viver. O prazer (de comer, de viajar, de não fazer nada...), o amor (entre uma família, entre amigos, entre um homem e uma mulher, o amor por você mesmo) e a espiritualidade (a busca pelo sobrenatural, a busca por Deus) são os elementos abordados na procura por uma vida equilibrada.

Não sei descrever exatamente o que me faz pensar que as pessoas complicam tanto a vida, não precisa ser assim tão difícil. Cada aspecto é digno de ampla literatura, mas se eu pudesse simplificá-los em algumas frases assim eu o faria:

O prazer pode ser vivido na medida do possível e sem exageros. Sonhos gigantescos nos deixam frustrados e nos fazem correr atrás do vento – entenda-se do dinheiro que nos faz ter menos tempo e... Menos prazer. Desfrute das coisas boas e simples da vida todos os dias e realize as maiores na medida do possível.

O amor, se vivido profundamente e sinceramente tem menos chances de dar errado. Contudo, penso que aventuras amorosas e casamentos precipitados contribuem para as estatísticas das relações destroçadas. Mas sim, concordo, o amor é complexo.

E o caminho para encontrar Deus é um só: “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (João 14,6). As demais orientações estão todas na Bíblia, disponíveis para quem quiser conhecer a Verdade.

Mas para quem quiser complicar, o mundo oferece inúmeras possibilidades – cada uma com seus ônus e bônus.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Milagre da vida

Nada melhor do que reativar este blog com a notícia de um nascimento!

Que coisa mais maravilhosa é ver uma vidinha de 3,520g e 49,5cm vindo ao mundo!
Sim, estou maravilhada com o nascimento do meu sobrinho que chegou hoje, nessa típica manhã gelada de Curitiba.


Não precisou nem de um tapinha na bunda, saiu do confortável ventre da mãe anunciando sua chegada

Tão perfeitinho... bracinhos e perninhas esticam e encolhem começando a explorar o mundo

Seus olhinhos sequer suportam a claridade do sol que depois de dias surgiu para recebê-lo

O primeiro olhar da mãe foi acompanhado por um lindo sorriso

O pai, bobo, sem saber se filmava, se pegava o filho no colo, se falava com a família...

E a família, toda na expectativa do pequenino!

Obrigada pelo presente!


Seja bem vindo Lucas!!!

domingo, 10 de abril de 2011

No frigir dos ovos

Pergunta:


Alguém sabe me explicar, num português claro e direto, sem figuras de linguagem, o que quer dizer a expressão "no frigir dos ovos"?


Resposta:
Quando comecei, pensava que escrever sobre comida seria sopa no mel, mamão com açúcar. Só que depois de um certo tempo dá crepe, você percebe que comeu gato por lebre e acaba ficando com uma batata quente nas mãos. Como rapadura é doce mas não é mole, nem sempre você tem idéias e pra descascar esse abacaxi só metendo a mão na massa.
E não adianta chorar as pitangas ou, simplesmente, mandar tudo às favas.

Já que é pelo estômago que se conquista o leitor, o negócio é ir comendo o mingau pelas beiradas, cozinhando em banho-maria, porque é de grão em grão que a galinha enche o papo.
Contudo é preciso tomar cuidado para não azedar, passar do ponto, encher linguiça demais. Além disso, deve-se ter consciência de que é necessário comer o pão que o diabo amassou para vender o seu peixe. Afinal não se faz uma boa omelete sem antes quebrar os ovos.

Há quem pense que escrever é como tirar doce da boca de criança e vai com muita sede ao pote. Mas como o apressado come cru, essa gente acaba falando muita abobrinha, são escritores de meia tigela, trocam alhos por bugalhos e confundem Carolina de Sá Leitão com caçarolinha de assar leitão.

Há também aqueles que são arroz de festa, com a faca e o queijo nas mãos, eles se perdem em devaneios (piram na batatinha, viajam na maionese... etc.). Achando que beleza não põe mesa, pisam no tomate, enfiam o pé na jaca, e no fim quem paga o pato é o leitor que sai com cara de quem comeu e não gostou.

O importante é não cuspir no prato em que se come, pois quem lê não é tudo farinha do mesmo saco. Diversificar é a melhor receita para engrossar o caldo e oferecer um texto de se comer com os olhos, literalmente.

Por outro lado se você tiver os olhos maiores que a barriga o negócio desanda e vira um verdadeiro angu de caroço. Aí, não adianta chorar sobre o leite derramado porque ninguém vai colocar uma azeitona na sua empadinha, não. O pepino é só seu, e o máximo que você vai ganhar é uma banana, afinal pimenta nos olhos dos outros é refresco...

A carne é fraca, eu sei. Às vezes dá vontade de largar tudo e ir plantar batatas. Mas quem não arrisca não petisca, e depois quando se junta a fome com a vontade de comer as coisas mudam da água pro vinho.

Se embananar, de vez em quando, é normal, o importante é não desistir mesmo quando o caldo entornar. Puxe a brasa pra sua sardinha, que no frigir dos ovos a conversa chega na cozinha e fica de se comer rezando. Daí, com água na boca, é só saborear, porque o que não mata engorda.
Entendeu o que significa "no frigir dos ovos"???


Autor desconhecido

quarta-feira, 16 de março de 2011

Lixeira VIVA parte II


Quase 2 meses passaram e já posso falar alguma coisa sobre como é ter uma lixeira orgânica. Antes de adquirirmos a lixeira não sabíamos que a cada remessa de lixo precisaríamos jogar uma camada de material seco por cima, tal como grama, folhas secas ou até papel. Pra quem mora em apartamento é um pouco complicado armazenar grama ou folhas, então o que mais tenho utilizado é papel picado mesmo – pacote de pão, notinhas de banco e supermercado, folhas sulfite usadas.
Depois de 1 mês mais ou menos com a lixeira, quase desistimos de mantê-la. Ela foi infestada por mosquitinhos de frutas, aqueles bem pequenos atraídos pela banana. E o pior é que eles não se concentravam na lixeira, mas se espalhavam pela casa inteira. Foram alguns dias com inseticidas nas tomadas, com armadilhas noturnas... E de repente eles foram sumindo. Não sabemos se foi por que não jogamos mais cascas de bananas lá ou se por que o frio chegou. Mas o importante é que nos livramos deles.
Quanto ao cheiro, é realmente quase imperceptível. Sentimos alguma coisa apenas quando abrimos para jogar o lixo. Quando está fechada, absolutamente nada.
É estranho como algo tão simples - algumas caixas com minhocas onde jogamos nosso lixo orgânico, possa fazer a vida parecer mais organizada, mais limpa, mais simples e correta. Incentivo que se alguém achou interessante, vá em frente, adquira uma lixeira VIVA!

Para conhecer mais a respeito veja: www.lixeiraviva.com.br

Lixeira viva parte I


sábado, 29 de janeiro de 2011

Lixeira viva parte I

Muito tem se falado em sustentabilidade e em medidas para proteger o que nos resta do meio ambiente. Pequenas atitudes muitas vezes parecem tolas diante do caos ambiental, mas pequenas atitudes de muitas pessoas podem sim começar a mudar o mundo. Sim, por mais que pareça utopia, eu acredito que outro mundo é possível.

Jogar lixo no chão é uma atitude que me deixa irritada, total demonstração de descaso, de falta de respeito, de ignorância. Separar o lixo orgânico do lixo reciclável é o mínimo que podemos fazer nas nossas casas. Adotar uma caneca de porcelana e deixar para trás o velho hábito de usar um copinho descartável para cada gole de água ou café no trabalho é mais um passinho em direção a um mundo melhor... Mas o que mais fazer para agredir menos nosso planeta? Eu não sei se esta é uma preocupação sua, mas é uma das minhas. E sabendo que os lixões das cidades estão abarrotados de lixo apodrecendo e piorando a vida de quem mora ao seu redor, resolvemos (eu e meu marido) comprar uma lixeira orgânica! Pois é, agora criamos minhocas na lavanderia do nosso apartamento! Nossa mais nova aquisição chegou ontem, então nem tenho muito a falar dela. Mas o passo foi dado e seremos responsáveis por algumas sacolas a menos de lixo apodrecendo por aí.

Para conhecer mais a respeito veja: www.lixeiraviva.com.br