quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Precicle!


Algumas visitas já perceberam uma novidade na minha casa... ela fica no banheiro, escondidinha dentro do lixo, mas é impactante! Impactante na diferença que faz ao ser descartada quando já usada. Confesso que não sei exatamente pra onde vai o lixo recolhido do meu prédio, se pra um lixão, pra um aterro sanitário... mas tenho certeza que o lixo que sai do meu banheiro agora agride bem menos o meio ambiente! Se antes levava entre 30 e 40 anos para se decompor, agora está levando alguns meses! 


Ouvi falar algumas vezes sobre saquinho de jornal para lixeira do banheiro, mas não acreditava que dava certo. Até que resolvi comprar um jornal e experimentar. É super fácil de fazer - vários sites na internet ensinam - e não é que o saco fica firme e suporta super bem os papéis? Quando está cheio, fecho com dois pedaços de fita crepe e pronto! Simples assim! Há! E fiquei mais feliz ainda quando descobri que um colega do trabalho tem assinatura de jornal e nenhuma utilidade pra ele depois de lido... ou seja, está tudo virando lixinho!

Se você é abonado (rsrs) e tem uma secretária do lar, ensine ela a fazer lixinhos de jornal! Está na moda ser ecológico! E espero que essa moda pegue pra valer! E talvez ela faça na casa dela também... serão mais dois lares poluindo menos! Se você tem filhos, os envolva nessa cultura ecológica! Se não tiver secretária do lar nem filhos como eu, faça você mesmo! 

A decisão de estragar um pouco menos o nosso planeta com pequenas, mas importantes atitudes tais como ter uma lixeira orgânica, separar o lixo reciclável e fazer lixo de jornal requer um pouco de trabalho sim. É tão mais fácil jogar as embalagens de shampoo, desodorante e outros produtos que utilizamos no banheiro no próprio lixo do banheiro. Mas por favor! Vamos deixar a preguiça de lado, dar alguns passos a mais (se sua casa não for uma mansão) e jogar o lixo reciclável no lixo reciclável! Até que se torne um hábito. Um excelente hábito.

O título deste post tomei emprestado do texto de Pólita Gonçalves, publicado no site www.lixo.com.br , o qual transcrevo abaixo:


Precicle!
Você sabe o que é preciclar?

É muito simples!

É pensar antes de comprar.
40% do que nós compramos é lixo.


São embalagens que, quase sempre, não nos servem para nada, que vão direto para o lixo aumentar os nossos restos imortais no planeta.

Poderia ser diferente?
Tudo sempre pode ser melhor.

Pense no resíduo da sua compra antes de comprar. Às vezes um produto um pouco mais caro tem uma embalagem aproveitável para outros fins.

Estes são os 3 R's:
Reduzir, Reutilizar e Reciclar


Reduzir o desperdício,
Reutilizar sempre que for possível antes de jogar fora, e
Reciclar, ou melhor: separar para a reciclagem, pois, na verdade, o indivíduo não recicla (a não ser os artesãos de papel reciclado).

O termo reciclagem, tecnicamente falando, não corresponde ao uso que fazemos dessa palavra pois reciclar é transformar algo usado, em algo igual, só que novo.
Por exemplo, uma lata de alumínio, pós-consumo, é transformada, através de processo industrial, em uma lata nova.
Quando transformamos uma coisa em outra coisa, isso é reutilização.
O que nós, como indivíduos, podemos fazer, é praticar os dois primeiros R's: reduzir e reutilizar.
Quanto à reciclagem, o que nós devemos fazer é separar o lixo que produzimos e pesquisar as alternativas de destinação, ecologicamente corretas, mais próximas.

Pode ser uma cooperativa de catadores ou até uma instituição filantrópica que receba material reciclável para acumular e comercializar.

O importante é pensarmos sobre os 3 R's procurando evitar o desperdício, reutilizar sempre que possível e, antes de mais nada,

preciclar!

Ou seja: Pensar antes de comprar.
Pensar no resíduo que será gerado.

Evite embalagens plásticas: elas poderão ser transformadas em produtos plásticos reciclados. O vidro é totalmente reciclável e muito mais útil em termos de reutilização da embalagem.

Preciclar é pensar que a história das coisas não acaba quando as jogamos no lixo. Tampouco acaba a nossa responsabilidade!

Pólita Gonçalves



Tempo (aproximado) de decomposição de materiais
A tabela de tempo de decomposição de materiais é um poderoso instrumento de sensibilização que, invariavelmente, faz as pessoas pensarem na sua responsabilidade individual com relação ao lixo. Há porém, muita variação da informação . Isso se deve ao fato de que o tempo de decomposição deverá variar de acordo com as condições do solo ou ambiente em que os materiais foram descartados. A campanha do Ziraldo por exemplo se refere a materiais descartados na água do mar que tem condições de acidez, oxidação entre outras que vão afetar o material diferentemente do descarte no solo. De qualquer maneira esses dados são incontestes no que se refere ao fato de que o lixo continua existindo depois que o jogamos na lixeira e devemos portanto verificar todas as possibilidades de reintroduzí-lo na cadeia produtiva da reciclagem ou de aumentar o seu ciclo de vida.

FONTE:
Campanha
Ziraldo
Comlurb website
SMA
São Sebastião
DMLU
POA
UNICEF
website
Material





Casca de banana ou laranja

2 anos
2 a 12 meses


Papel
3 a 6 meses

De 3 meses a vários anos
2 a 4 semanas
3 meses
Papel plastificado

1 a 5 anos



pano
6 meses a 1 ano




Ponta de cigarro
5 anos
10 a 20 anos
De 3 meses a vários anos

1 a 2 anos
Meias de lã

10 a 20 anos



Chiclete
5 anos
5 anos
5 anos

5 anos
Madeira pintada
13 anos



14 anos
Fralda descartável




600 anos
Nylon
Mais de 3 anos



30 anos
Sacos plásticos

30 a 40 anos



Plástico
Mais de 100 anos

Mais de 100 anos
450 anos
450 anos
Metal
Mais de 100 anos
Até 50 anos
10 anos
100 anos

Couro

Até 50 anos



Borracha
Tempo indeterminado




Alumínio

80 a 100 anos
Mais de 1000 anos
200 a 500 anos
200 a 500 anos
Vidro
1 milhão de anos
Indefinido
Mais de 10 mil anos
Indeterminado
4 mil anos
Garrafas plásticas

Indefinido



Longa vida


100 anos


Palito de fósforo


6 meses